O tratamento do câncer pode ser feito por meio de cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou transplante de medula óssea. Em muitos casos, é necessário combinar mais de uma modalidade.

RADIOTERAPIA

Tratamento em que se utilizam radiações para destruir um tumor ou impedir que suas células aumentem. Essas radiações não são vistas e durante a aplicação o paciente não sente nada. A radioterapia pode ser usada em combinação com a quimioterapia ou outros recursos no tratamento dos tumores.

QUIMIOTERAPIA

Tratamento que se utiliza de medicamentos para combater o câncer. Eles são aplicados, em sua maioria, na veia podendo também ser dados por via oral, intramuscular, subcutânea, tópica e intratecal. Os medicamentos misturam-se com o sangue e são levados a todas as partes do corpo, destruindo as células doentes que estão formando o tumor e impedindo, também, que elas espalhem-se pelo corpo.

TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

Tratamento para algumas doenças malignas que afetam as células do sangue. Ele consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula.

EFEITOS COLATERAIS

Efeitos colaterais são efeitos indesejáveis que podem acontecer e dependem dos tipos de medicamentos prescritos e do próprio organismo de cada paciente. Isso significa que alguns efeitos colaterais desagradáveis podem ocorrer com uma pessoa, enquanto outra nada sente ou os têm de forma mais branda.

A quimioterapia ocasiona apatia, falta de apetite, queda de cabelo (que volta a crescer após o término da quimioterapia), susceptibilidade a infecções (por diminuição da resistência do paciente e pela diminuição das células de defesa no sangue), Hematomas ou outros sangramentos (pela baixa no número de plaquetas), aftas na boca, náuseas, vômitos, diarreia, entre outros.

A radioterapia deixa a pele mais sensível mas, no geral, os efeitos colaterais são muito parecidos com os da quimioterapia.

CUIDADOS DURANTE E APÓS A QUIMIOTERAPIA E A RADIOTERAPIA

Após a quimioterapia, é comum ocorrer uma queda nas células do sangue (leucócitos, plaquetas e hemácias) e o paciente ficar imunodeprimido (neutropênico), isto quer dizer que houve uma baixa nas defesas contra os micróbios. Por causa disso, alguns cuidados são necessários:

Alimentação:

Durante o tratamento é necessário que a dieta da criança seja adequada em calorias, proteínas e demais nutrientes. Porém, pelo uso da quimioterapia ou radioterapia, para o controle da doença, podem ocorrer modificações importantes no paladar e ocasionar náuseas, vômitos, feridas na boca, diarréia, dentre outros fatores que podem prejudicar a recuperação.

Higiene:

É extremamente importante. Todo o corpo deve estar limpo e as unhas cortadas. A higiene de casa, dos móveis e dos brinquedos também não pode passar despercebida.

Infecções:

É bom evitar contato com pessoas doentes, como aquelas que estão com catapora, gripe, rubéola e outras doenças infecciosas, assim como crianças vacinadas e animais domésticos.

Durante todo o tratamento, não se deve vacinar a criança nem permitir que ela fique perto de outras que foram vacinadas. Isso se justifica por que as vacinas são feitas com vírus ou partículas que, em idade infantil - para aquelas que estão em tratamento quimioterápico e/ou radioterápico, podem acarretar malefícios ao sistema de defesa, impedindo seu funcionamento adequado.

Deve-se também evitar pancadas e sangramentos que podem ocorrer na hora de escovar os dentes e cortar as unhas, por exemplo. É importante evitar o sol, pois a pele durante esse processo fica mais sensível e pode sofrer queimaduras graves.