Higiene bucal para pacientes portadores de tumores no sistema nervoso central

Os tumores do Sistema Nervoso Central (SNC) representam o segundo tipo de câncer mais frequente na população pediátrica, ficando apenas abaixo das neoplasias hematológicas (alterações das células do sangue). O pico de incidência encontra-se na faixa etária de um a quatro anos. Eles correspondem a aproximadamente 25% das neoplasias diagnosticadas em crianças abaixo de 15 anos, isto é, uma em cada cinco crianças com diagnóstico de câncer é portadora de um tumor primário de SNC.

Embora os tumores cerebrais representem a causa mais comum de morte dentre todos os tipos de câncer que ocorrem na infância, a taxa de sobrevida de pacientes portadores dessa neoplasia vem aumentando com o tempo, seja pela melhora no diagnóstico, com os exames de imagem ou pelos avanços nos tratamentos oferecidos. Sendo assim, torna-se fundamental a abordagem de uma equipe multidisciplinar que permita a recuperação e manutenção em saúde, melhorando a qualidade de vida desses pacientes.

No que diz respeito aos cuidados odontológicos, esses pacientes requerem uma atenção especial, visto que apresentam sequelas decorrentes do tumor ou do tratamento, que alteram a dinâmica bucal e limitam o autocuidado com a higiene. Algumas alterações comuns nesses pacientes são: trismo (dificuldade de abertura bucal), hiposalivação (geralmente causada pelo número variado de medicamentos usados de forma conjunta), cáries radiculares, doenças no periodonto e, principalmente, elevado acúmulo do biofilme dentário e saburra lingual que são reflexos da deficiência e dificuldade de higiene desses pacientes.

Os pacientes portadores de tumores no SNC geralmente apresentam déficits e alterações em áreas como: compreensão verbal e gramatical, aptidões motoras e motricidade fina, áreas de atenção e concentração e de aprendizagem. Por isso, o cuidado com a saúde bucal, na maioria dos casos, é transferido a terceiros (familiares ou cuidadores).

Na Casa Durval Paiva, estes pacientes recebem assim que diagnosticados, o acompanhamento no setor de Odontologia onde é realizada a orientação sobre a importância e sobre como realizar a correta higienização da cavidade bucal, pois alguns meios incomuns podem ser necessários como: uso de fio dental com haste, uso de escovas elétricas ou interdentais. Além disso, são dadas instruções sobre dieta não cariogênica e sobre a necessidade do uso de veículos de reforço à higiene bucal como bochechos de flúor e clorexidina. O paciente é acompanhado antes, durante e após o tratamento oncológico para que seja garantida a prevenção e manutenção da saúde bucal.

Por Anna Letícia Xavier de Lima - Dentista

Artigos Relacionados