Medicamentos adjuvantes no tratamento quimioterápico

Nos últimos anos o tratamento oncológico tem avançado consideravelmente. O tratamento principal ainda é a quimioterapia antineoplásica, onde o objetivo é combater as células cancerígenas. Infelizmente, o tratamento ainda não consegue ser específico, ele atinge as células doentes e também as células saudáveis. Na criança e no adolescente, o câncer se prolifera de forma agressiva, ou seja, as células se multiplicam de forma rápida, agravando o câncer. Pelo fato de a medicação quimioterápica não ser seletiva, ocasiona os efeitos colaterais e esses quando não tratados podem dificultar a adesão do paciente ou até mesmo provocar um atraso em seu tratamento.

Esses efeitos colaterais já são previsíveis em decorrência do uso do medicamento e podem ser diminuídos ou até evitado, já os efeitos adversos que não necessariamente ocorrem mas podem acometer o paciente, são mais raros. Os efeitos colaterais mais frequentes durante o tratamento de quimioterapia são: sangramentos, fadiga, cansaço, perda de cabelo, constipação, infecção, vômito, anemia, dentre outros. Por esses sintomas já estarem previstos, existem os medicamentos que diminuem os efeitos indesejados, chamados de adjuvantes ao tratamento. Eles promovem uma melhora da qualidade de vida dos pacientes e atenuam as ocorrências do evento.

Esses medicamentos tornam a quimioterapia menos agressiva, proporcionando a melhora da qualidade de vida dos pacientes. Eles têm atuação juntamente com a quimioterapia e são essenciais para adesão ao tratamento do paciente, pois promovem o alívio dos sintomas.

Os pacientes em tratamento contra o câncer cadastrados na Casa Durval Paiva recebem a medicação adjuvante de forma gratuita mediante a prescrição médica, onde o farmacêutico faz a dispensação e a orientação ao paciente e seu acompanhante. A fim de melhorar a adesão ao tratamento e facilitar a compreensão também são desenvolvidas tabelas lúdicas.

O tratamento adjuvante é importante na cura do paciente como um todo, pois limita a incidência dos efeitos indesejados e a quimioterapia torna-se menos agressiva. Com o uso desses medicamentos, os pacientes podem seguir o tratamento de quimioterapia dando continuidade ao tratamento oncológico até o fim, reduzindo os agravos dos efeitos colaterais, como no caso das infecções.

Por Isabelle Medeiros Resende - Farmacêutica

Artigos Relacionados