O assistente social como apoio à família

Soraya Mendes Guimarães

Assistente Social – Casa Durval Paiva

CRESS/RN 1249

 

Estudos recentes apontam que, com o diagnóstico precoce, o tratamento do câncer infantojuvenil chega a 70% de cura. No entanto, em razão de alguns fatores, como a dificuldade de acesso aos serviços públicos de saúde, a desinformação dos pais, o medo do diagnóstico e as características de certos tumores que são de difícil diagnóstico, muitos pacientes são encaminhados para tratamento com a doença em estágio avançado, o que reduz o percentual de cura.

Embora o avanço da medicina contribua para a melhoria da saúde destas crianças e adolescentes, permitindo o prolongamento da vida, é muito importante pensar naqueles com a doença avançada, com ausência de resposta ao tratamento, para quem a cura não é possível e a morte se torna cada vez mais evidente, e em como esta fase afeta o paciente e sua família.

Quando esta fase chega, a família pode ser forçada a uma mudança drástica dos papeis até então desempenhados e alterações de atitudes e comportamentos, procurando estratégias para enfrentar este momento difícil de sua vida, vivenciando medos e incertezas, relacionados a finitude de um processo permeado por vários sentimentos como: esperança, luta, fé, impotência, perda e esperança novamente. Lidar com a finitude representa alterações nos planos futuros, dos papeis e das responsabilidades de cada um e exige da família um elo muito forte para que juntos possam enfrentar a situação vivenciada.

Na Casa Durval Paiva, temos como entendimento que a equipe multidisciplinar deve estar preparada para apoiar esse momento de vulnerabilidade vivenciado pelas famílias. O assistente social, inserido nesse processo, deve perceber os desejos, as necessidades da criança/adolescente e de seus familiares, para que possa intervir, aliviar ou encaminhá-los para resolver seus problemas, ajudando-os a estabelecer objetivos reais que lhes proporcionem conforto e diminuam o sofrimento. É essencial que o profissional seja capaz de estabelecer uma comunicação adequada e uma verdadeira relação de ajuda baseada no respeito, empatia, escuta ativa, diálogo, coerência e autenticidade. Deve ser desenvolvida uma relação com base na disponibilidade, confiança, serenidade, respeito e esperança, buscando ajudar a família a encontrar um significado para a situação que estão vivenciando.

O assistente social deve ter como principal objetivo o acolhimento, conforto e a qualidade de vida da família. Para tal, apresenta-se como necessário identificar qual o papel que a criança/adolescente ocupa no núcleo familiar, quais os vínculos consolidados e como a família encontra-se organizada. Deve orientar na resolução de questões práticas ou complicações que possam surgir, fornecendo informações, aconselhamentos e articulação, visando facilitar o acesso aos serviços que garantam a qualidade, humanização e eficiência na prestação de serviço no momento de luto vivenciado.

Por Soraya Mendes Guimarães

Artigos Relacionados