O perfil social dos pacientes com câncer

 

 

Keillha Israely

Assistente Social – Casa Durval Paiva

CRESS/RN 3592

 

A Casa de Apoio à Criança com Câncer Durval Paiva há 24 anos acolhe crianças e adolescentes com câncer e doenças hematológicas crônicas. Desde então, já recebeu 1532 pacientes do Rio Grande do Norte, bem como, de outros estados, carregando na bagagem muitas histórias de lutas, conquistas e superação.

Atualmente, a instituição atende a 545 pacientes ativos e em tratamento, destes, 207 casos são oncológicos e 337 hematológicos. São crianças e adolescentes que, geralmente, chegam à instituição sendo encaminhados pelos hospitais de referência.

As famílias chegam abaladas, ansiosas e tristes diante do diagnóstico, necessitando de suporte e apoio para o tratamento. Estas, possuem perfis diversificados, alguns com renda per captade menos de um salário mínimo, que dependem do Sistema Único de Saúde – SUS para ter acesso ao tratamento, e outras com renda familiar superior, mas que também necessitam de suporte, pois, os casos de doença acometem as diversas classes sociais, e o poder aquisitivo não impede um diagnóstico de câncer ou doença hematológica. 

Assim, evidenciamos que nosso público alvo não compreende apenas famílias em situação de vulnerabilidade social. Não existe distinção de renda, cor, gênero ou raça. Os pacientes e seus familiares são acolhidos e atendidos como sujeitos de direitos, em busca de um tratamento digno e a cura da doença. São famílias que sofrem as diversas transformações nesse processo, e que tem um objetivo em comum, a cura.

O serviço social é o setor que acolhe e realiza o cadastro de tais pacientes. No momento da entrevista social apreendemos as mais diversas demandas; acompanhamos todo o processo nos atendimentos sociais diários e nas visitas domiciliares conhecemos as condições de moradia, as famílias e rede de apoio, na busca pela garantia de direitos.

É necessário termos uma verdadeira articulação com a rede de serviços, pois, é fundamental garantir o acesso a políticas públicas e serviços de qualidade, dos quais destacamos: alimentação, habitação, educação, transporte, medicamentos, dentre outros. Atuando sempre na perspectiva de oferecer um atendimento digno aos pacientes e seus familiares.

Por Keillha Israely

Artigos Relacionados